A minha pele é um cartaz publicitário

Trinta, 300 ou 3.000 euros: é o que pode receber um inglês ou um americano por deixar que a sua pele se transforme num espaço publicitário, tatuando o slogan de uma marca ou um anúncio. E vale tudo, tatuagens na testa, na barriga de grávidas, até nas pálpebras. Peter Shankman, autor do livro "Can We Do That?! Outrageous PR Stunts That Work? and Why Your Company Needs Them"  aplaude a iniciativa: "Enquanto publicitário, a minha função é conseguir que as pessoas falem do cliente e que o recomendem aos amigos. É o que se chama marketing social." Para ler na edição de hoje do i (publicidade totalmente gratuita, sem nenhuma tatuagem na pele).



Sandra Silva

publicado por Lugares Mesmo Comuns às 16:41