E o melhor emprego do mundo não foi para mim...

... foi para Ben Southall, um britânico de 34 anos que, durante seis meses, vai usufruir de todas as maravilhas naturais de uma ilha paradisíaca perto da Grande Barreira de corais da Austrália, numa casa de luxo, com piscina, e ser pago por isso. Pior, bem pago por isso, cerca de 75 mil euros. O (árduo) trabalho? Experimentar as várias actividades: ir à praia, fazer mergulho e escalada, tirar fotografias e escrever as aventuras num blogue. Realmente, há vidas difíceis.

 

A inovadora campanha de marketing correu mundo, foi lançada pelo Departamento de Turismo de Queensland no início deste ano e superou todas as expectativas: 110 milhões de dólares de lucro em publicidade (para um investimento de apenas 1,7 milhões). Concorreram 34.700 candidatos de quase 200 países. 
 

Não temos provas efectivas, mas acreditamos que Ben Southall é, hoje, um homem feliz. 

 


Sandra Silva

publicado por Lugares Mesmo Comuns às 18:02