O circo já não é o que era

O Festival dos Oceanos encerra amanhã em grande com Carillon, um espectáculo de novo circo, interpretado pelos italianos Kitonb, uma das mais prestigiadas companhias de teatro da actualidade. Esqueçam os palhaços e os domadores a colocar as cabeças nas bocas dos leões porque esta encenação não tem nada a haver com o circo que nos habituámos a ver na nossa infância.
 

Carillon é um espectáculo tridimensional, desenvolvido entre a terra e o ar, que envolve o público a 360º. Os cenários são movidos por gruas telescópicas, a cerca de 80 metros de altura, e o elemento central é um paralelepípedo metálico – o Carillon – elevado a 6 metros de altura. Interceptado por cordas elásticas e colocado sobre uma plataforma rotativa, é neste ponto que surgem e convergem todos os movimentos terrestres e aéreos dos dançarinos-acrobatas que criam performances teatrais sem limites.
 

Após Carillon, o Festival dos Oceanos despede-se do público com um magnífico espectáculo piro-musical, tendo o rio Tejo como cenário. Encontramo-nos todos às 22h, no Parque das Nações, junto ao Pavilhão de Portugal? A entrada é gratuita.



Carla Bulhões
 

publicado por Lugares Mesmo Comuns às 11:58