Sexta-feira , 05 de Março DE 2010

Editoras no País do Aproveitanço

Há uns meses não se pensaria que Tim Burton, o negro realizador que se entretém a ver filmes eróticos e outros bollywoodianos noite dentro, pudesse ser responsável pela subida das vendas de “Alice no País das Maravilhas” , o clássico livro infanto-juvenil de Lewis Carroll, publicado há 145 anos.

Mas Tim Burton quis superar-se e aproveitando o balanço do 3D recriou a obra. Com a sua mulher Helana Bohan Carter e o bom amigo Johny Depp no elenco, Burton deitou mãos à obra  e cria um conto infantil com geniais toques de ironia e excentricidade, um pouco à semelhança do seu “Charlie e a Fábrica de Chocolate”.

Qualquer filme do senhor é um sucesso (merecido) e na minha visita à FNAC, ontem, contei nove edições diferentes do livro! Sendo que uma já tinha a imagem do filme. É  aproveitar. “Nada se perde, tudo se transforma” já dizia outro génio.

 

Francisco Reis

publicado por Lugares Mesmo Comuns às 12:26
Sexta-feira , 26 de Fevereiro DE 2010

Sugestões para um fim de semana que diz que vai ser de ventania



 

O Terceiro Reich, de Roberto Bolaños, autor de 2006,  começou hoje a ser vendido nas livrarias portuguesas.

 

Francisco Reis

tags:
publicado por Lugares Mesmo Comuns às 17:43
Quinta-feira , 22 de Outubro DE 2009

Assim se promovem dois livros de uma vez

José Saramago, aquando da apresentação do seu novo livro, disse algumas palavras acerca da Bíblia que causaram celeuma e uma forte reacção por parte da Igreja. Diz-se que Saramago não precisa desta publicidade para vender, já vende por si. Ainda assim, as reportagens sobre as criticas à Bíblia e a defesa da mesma foram muitas. A verdade é que o seu livro está em grande destaque em todas as livrarias. Ganha a editora, as livrarias e o autor.

Curioso é que a Igreja também ganha algo. Hoje, num dos meus périplos por uma conhecida livraria lá estava Caim em grande destaque e exactamente ao lado, A Bíblia. Saramago promoveu dois livros?
 


Francisco Reis

publicado por Lugares Mesmo Comuns às 17:33
Terça-feira , 15 de Setembro DE 2009

Aprender pelos livros

Na vida, depois de plantar uma árvore e fazer um filho, há que publicar pelo menos um livro. E parece que a orientação se acentua no segmento dos ex-banqueiros com a reputação em quebra. Nos últimos meses, três casos idênticos. Avaliando os resultados, não vejo que seja grande estratégia de comunicação.

 

João Belo

tags: ,
publicado por Lugares Mesmo Comuns às 10:37
Terça-feira , 28 de Julho DE 2009

As Férias e as Ideias

Anda-se tão bem na 2.ª Circular. O carro desliza, na embraiagem nem se mexe. Não há tempo para ler o que está nos outdoors, só se abranda por causa dos radares e depressa se chega a todo o lado.

Cheira a Verão!

Vamos comprar um livro – para ler na praia! É melhor dois, não vá o primeiro ser vazio. À décima página, o calor torra e manda ir molhar os pés. Nunca tiveram uma ideia à beira-mar? Não daquelas tipo “agora apetecia-me uns caracóis e uma Super Bock” ou “podia comprar uma bicicleta de dois lugares para não termos que vir de carro”. Mais daquelas como “vou criar um blogue sobre a defesa dos mosquitos” ou “também não era mal pensado tirar uma fotografia àqueles canteiros coloridos com cadeiras incorporadas no Terreiro do Paço e concorrer a uma World qualquer coisa Photo desta vida”. Tem graça como nos permitimos pensar na mais absurda das coisas quando estamos de férias. Como se não o pudéssemos fazer na outra parte do nosso tempo. Será que as melhores ideias de Comunicação surgem de pensamentos muito razoáveis? E se experimentarmos ter ideias a partir de pensamentos absurdos? Melhor, se interpretarmos um problema pensando em soluções ao contrário? Algumas respostas estão no livro “Whatever you think, think the opposite”, de Paul Arden. Tem piada. Inspira e não significa que regressamos das férias de pernas para o ar. Não necessariamente…

 





 

Ana Martins

publicado por Lugares Mesmo Comuns às 15:15
Quinta-feira , 23 de Abril DE 2009

Estamos mesmo em todo o lado

Ainda a propósito do Dia Mundial do Livro, que hoje se assinala, a empresa espanhola Wellcomm elegeu os dez manuais imperdíveis, nacionais ou internacionais, desde que traduzidos para castelhano, sobre comunicação. Duas curiosidades sobre a listaJoan Costa, autor de um dos livros apontados, é o criador da imagem da Nova Rede (BCP) e um consultor/professor/investigador catalão que teve em Portugal uma sociedade com a LPM especializada em imagem corporativa. Já o “La caída da publicidade” tem edição portuguesa traduzida e prefaciada pelo lpm.



Sandra Silva

publicado por Lugares Mesmo Comuns às 19:32

arquivo

subscrever feeds

tags