Segunda-feira , 29 de Junho DE 2009

Investigadores premiados por técnica inovadora para transplante de tecidos

O Banco de Tecidos do Centro de Histocompatibilidade do Sul, em Lisboa, recebe hoje o prémio Hospital do Futuro pela sua técnica inovadora, e única a nível mundial, de preparação e processamento de membrana amniótica para transplantação em doentes com queimaduras graves ou malformações, e com aplicação noutras áreas médicas, desenvolvida. O procedimento garante uma recuperação completa, sem  rejeição imunológica.


Desenvolvida pela investigadora Teresa Ramos, a técnica pode ser aplicada em áreas médicas diversas e é já rotina no Banco de Tecidos. Os investigadores do Centro de Histocompatibilidade do Sul trabalham neste projecto há cerca de dois anos e meio, contando já com vários casos de sucesso entre os transplantes realizados.


A cerimónia de entrega do prémio acontece segunda-feira, pelas 15 horas, na Universidade Católica, no auditório Cardeal Medeiros.

 

Parabéns!

 


Sandra Silva

 

publicado por Lugares Mesmo Comuns às 13:30
Segunda-feira , 22 de Junho DE 2009

Caretas e sorrisos em análise

 

A medição das emoções tem ganho cada vez mais importância na indústria dos estudos de mercado pela grande influência que exercem nos processos cognitivos e nas decisões de compra dos consumidores. Nas áreas de comunicação e desenvolvimento de novos produtos, um sistema capaz de medir emoções com precisão pode levar a descobertas valiosas: o que se sente ao ver determinado anúncio, como uma campanha pode afectar a imagem de uma marca ou ainda que emoções experimentamos quando testamos um novo produto.

 

Quem já está a explorar esta ideia na área de estudos de mercado é a GfK. Em curso está o desenvolvimento de uma solução tecnológica que permite revelar, em tempo real, as emoções dos consumidores através do registo e análise dos movimentos dos músculos faciais. Para já, está a ser feito um estudo de exequibilidade que investiga a forma como alguns podem ser revelados através da mais subtil alteração de uma expressão facial. Uma vez concluído o estudo, o sistema será desenvolvido de modo a reconhecer todas as emoções relevantes presentes na condução de estudos de mercado.

 

Já o Laboratório de Expressão Facial da Emoção tem em mãos um projecto com o objectivo de cartografar as expressões faciais portugueses e constituir um banco de dados de expressão facial, disponível para as mais diversas aplicações, como por exemplo, na saúde, justiça e educação.

 

Querem saber que expressões faciais podem ser vistas na LPM no momento em que escrevo este post? Vejam na imagem: a que predomina é a segunda da segunda linha (tudo muito sério, com um ar muito compenetrado sobre o ecrã do PC), mas há alguém com a quarta expressão da terceira linha… Tem na mão o DN. 


Carla Bulhões

publicado por Lugares Mesmo Comuns às 16:56
Segunda-feira , 25 de Maio DE 2009

Uma questão de empowerment





 

Os doentes portugueses estão entre os europeus que menos direitos têm no acesso à saúde, no 29.º lugar em 30 países, revela o relatório “Empowerment do doente europeu”, da Health Consumer Powerhouse, recentemente divulgado em Bruxelas.

A capacidade dos doentes serem parte da solução, assumindo-se como protagonistas na decisões sobre os sistemas de Saúde é uma das questões mais actuais nas discussões sobre o futuro do sector em cada país. E é também uma questão de Direitos Humanos e desenvolvimento das sociedades.


É esse o objectivo de iniciativas como a da Plataforma Saúde em Diálogo, criada há 11 anos e que congrega 32 associações de doentes, que hoje inaugurou um site em www.plataforma.org.pt, e a da Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL), que, a  2 de Julho, realiza o IV Concerto de Solidariedade, no Pavilhão Atlântico, em Lisboa. 




 


 Pedro Rodrigues

 

publicado por Lugares Mesmo Comuns às 18:50
Quarta-feira , 20 de Maio DE 2009

Habitantes da Foz acordaram chocados

Ontem os cidadãos do Porto acordaram com a notícia do Bom dia Portugal, na RTP, de que estava um caixão na Foz, junto ao Molhe. O caixão, igual a um outro no Rossio, em Lisboa, assinalava o Dia Mundial da Hepatite, 19 de Maio, com uma “acção de choque” que quis lembrar a todos a consequência do não diagnóstico, e não tratamento, da doença. As questões, os olhares, os comentários de todos os que por ali passaram foram mais que muitas. Mas o objectivo era mesmo apelar à consciência de cada um para o perigo da doença e para a necessidade do teste de diagnóstico e acesso atempado ao tratamento através da mensagem colocada num caixão: “Cadáver cedido pela falta de um rastreio! E você sabe se tem hepatite?”.

Face à quantidade de telefonemas incomodados que recebeu dos fozeiros, a Câmara Municipal do Porto acabou por sugerir, a meio da manhã, que se retirasse o caixão da Praça do Molhe. O caixão saiu, mas a mensagem ficou e hoje muitos portuenses acordaram mais conscientes dos riscos das hepatites.

Nas restantes cidades portuguesas, foi feito o mesmo apelo através da distribuição de folhetos e outros materiais informativos.
 


Catarina Carneiro/Pedro Rodrigues

publicado por Lugares Mesmo Comuns às 16:40
Quarta-feira , 22 de Abril DE 2009

Farmácia Saúde alcança audiência mais alta de sempre

 

Farmácia Saúde alcança audiência mais alta de sempre

A revista Farmácia Saúde obteve, no trimestre de Janeiro a Março deste ano, uma audiência de 4 pontos, correspondente a 332.440 leitores, de acordo com o último relatório do Bareme Imprensa, da Marktest, que avalia três vezes por ano as publicações nacionais. Esta é a audiência mais alta dos 10 anos de vida da revista Farmácia Saúde, que assim confirma a liderança entre as publicações dedicadas aos temas Saúde e Educação. Este é, também, o melhor resultado de sempre alcançado por uma revista deste segmento no mercado editorial português. A afirmação do título Farmácia Saúde entre os leitores com interesse pelos temas de Saúde é reveladora, igualmente, da forte relação que as farmácias portuguesas, que distribuem a revista, mantêm com a sociedade portuguesa. Para recordar, a primeira Farmácia Saúde feita pela LPM (em 1996) e a mais recente edição, de Abril deste ano.


Sandra Silva

publicado por Lugares Mesmo Comuns às 16:50

arquivo

subscrever feeds

tags